cheap love, sheet's love, shit love





P.S. Para voltar à "home" ou sair, clicar no símbolo em baixo:

terça-feira, agosto 24

O caos do mundo é o teu cabelo. Desculpa-me a visão egocêntrica, mas é (quase) a única que tenho. Infelizmente, as cores também já me abandonaram. Já só tenho o preto e o branco, e a mistura destes dois. É nessa mistura que também eu e tu nos encontramos. Algo estranho, inexplicável, e super super caótico. O teu cabelo é o caos, mas quem disse que eu não o adoro? Pois é! Eu adoro caoticamente o caos no teu cabelo. Banho-me nele, deixo-o entranhar-se enquanto lentamente eu próprio me vou entranhando em ti e tu em mim. Fazêmo-lo numa dança muito própria, muito misteriosa. Nem sei como, pois fechamos sempre os olhos, para termos tudo totalmente preto, nada de misturas para além da nossa. Preto, a ausência de luz. É o que é preciso. É o que é preciso quando se está a criar uma luz nova. Uma nunca antes vista e que jamais será vista, pois só será vista por nós. Vista, sentida, tocada, feita!, por nós.
Amarras bem o teu cabelo à volta do meu pescoço. Agarras-me com tanta força que até me dói, mas eu não quero saber, é uma dor boa. Uma dor segura, que me dá, não prazer, mas sim um certo sentimento de.. embalo. Um embalo longo, precioso. Infelizmente, efémero. E como a vida de uma libelinha, rapidamente a sensação dolorosamente confortável se vai.. esvoaça então no vento, nas asas de uma nova libelinha, de uma nova luz!
E é assim feito. É assim criado, uma nova luz, uma nova união, um novo fruto. E é assim, que digo: bem-vindos ao ciclo.

4 Oh Leopold!:

Constança disse...

gostei megas, true

Constança disse...

eu sei, Miguel.

rita disse...

os teus textos sao lindooos, e viciantes :|

rita disse...

obrigadoo :) o teu blog é um vicio bom ahah

Enviar um comentário

fajsdçlkajsdlaçj (Y)